Há algumas semanas atrás, eu voltei de Manaus, Brasil, a que muitos chamam de O Portal do Amazonas. Passei uma semana no rio com Justiça & Misericórdia Amazon visitando alguns vilarejos incríveis por algumas áreas obscuras dos rios, e então passei quatro dias em reuniões com amigos queridos e pastores de selva em Manaus. (Eu tive uma semana fenomenal, o que seria uma história para outro post.) Enquanto na cidade, eu solicitei um encontro com uma das seguidoras de Cristo mais marcantes que eu já conheci, uma mulher de sessenta anos chamada Ana (nome foi mudado). Eu a conheci inicialmente em nossa primeira Conferencia de Pastores de Selva há alguns anos atrás, e eu fui pontual em vê-la em todas visitas. Mas é difícil segurar a Ana. Metade do tempo ela tem agendamentos para ensinar uma das três horas de aula em Hermêneutica que ela leciona, trabalha com o seu pastor em sua igreja ou temporariamente viviendo em outro país na America do Sul servindo aos pobres. Ano passado ela coluntariamente viveu em uma cabana, no Peru acredito eu, onde ela tinha buscar sua própria água, descrevendo condiçÕes que eu nem ao menos compreendo – ela esteve lá ensinando a Bíblia. Acredito que ela estava com problemas de saúde na época.

miriam

Mas seu sorriso, sua paz, sua alegria interior tão profunda que em muitas maneiras resiste a vida difícil que ela teve: um noivado quebrado anos atrás (Ana permaneceu solteira), duas batalhas contra o cancêr, um acidente que causou uma dor extrema nas suas costas, e perseguição literal por sua fé. Uma pessoa não pode falsificar atributos que vão a frente do seu semblante e do seu espírito. Estas coisas não vem de outras coisas, ou prazer ou entretenimento. Ouvimos essas palavras com frequência mas eles ainda são frutos que vem do Espírito. A Paz de Ana, sua alegria radiante é o que eu quero, eu só não quero muitas vezes a trilha que liberta esses sentimentos. Mas eu também estou em um ponto onde eu não estou disposta a perder nada com Ele.

Eu tive uma hora com a Ana sentadas na sala de uma amiga. Seus cabelos grisalhos virados enquanto apoiados na sua camisa bege, com estampa de flores de lavanda. Ela também vestia uma saia jeans – não com tanta certeza: uma graça. Com todos vocês em mente e , egosísticamente, comigo mesma em mente, eu perguntei a Ana algumas coisas sobre a vida, fé, e seu relacionamento com Jesus. Aqui estão algumas coisas que ela me disse…
“Se toda mulher acreditasse no que Deus tem guardado para ela, toda mulher dedicaria sua vida par o serviço de Deus.”

Ela não estava balançando seus dedinhos quando disse isso. Ela estava sentada na beira do seu assento com o tronco enclinado em minha direção com um sorrisinho convidativo como o de uma mãe se achega em direção a sua filha e diz, você Não quer perder isso por nada no mundo! Seu zelo me lembro de Maria de Betânia: Quando você experimentou a pessoa de Jesus — quando você o conhece — você derramará tudo de você com deleite, até mesmo urgência. Ao invés de se perguntar como eu poderia entregar sacríficio maior ou fazer uso de mais disciplina, Ana, através de sua própria presença, me lembrou que quando você o conhece, se deleitará em amá-lo.

“Quando Deus o salva, existe um lugar específico no Seu trabalho para você”, ela continuou. “Existesomente uma forma de descobrir: intimidade com Cristo.” Me pergunto se você acredita nisso pessoalmente. Ou talvez, a pergunta certa seria você acredita nisso a respeito de Deus — que Ele realmente tem um lugar para você? As vezes me questiono sobre isso, e que solução vem através do tempo gasto aos Seus pés… ouvindo (Maria de Betânia), ou coom Ana colocou “intimidade com Cristo.” A pergunta se torna, estou eu gastando este tempo?
Ana continuou a explicar como ela fala com Deus como ela fala comigo — Ela conta tudo para Ele, até discute os mínimos detalhes com Ele. Ela descreveu que podemos conhecer a Sua voz como uma uma mulher consegue distinguir a voz do seu esposo entre mil homens, Ela compartilhou como ela ouve a voz de Deus através da leitura da Sua palavra — ela havia terminado a 145a. leitura de toda a bíblia. (Sem querer fazer lhe sentir culpado(a) — aceite como uma colher de encorajamento, porque é foi assim que ela deu. Foi assim que eu recebi.) Ela falou sobre três qualidades que a ajudam a discernir Sua voz em qualquer situação: Paz, alegria e certeza em acordo com a Sua Palavra.

Se seu histórico é parecido com o meu de alguma forma, nada disso é necessariamente novidade. Passar tempo diante da Palavra de DEus, ouvindo e pedindo em oração, servindo a Deus em obediência são coisas que sabemos. Mas não é o “novo” que nos mudará e sim um novo compromisso atemporal.

Tantas coisas nos distraem hoje, pode ser mais do que em qualquer outro tempo na história. O iPhone sozinho poderia ser minha primeira desfeita. Jamais conseguiria imaginar um tempo onde eu tivesse acesso a mais opniões, arguentos, “comentários”sobre tudo, e ainda Ana me lembrou mais uma vez daquela Voz, a Única que importa sobre todas as outras. A Voz do Pastor o qual suas ovelhas o conhecem ( João 10:27). Ela me inspirou a voltar a ter o tempo para ouví-lo. Não que eu não tivesse lendo minha Bíblia ou ouvindo, mas para aumentar novamente meu compromisso. Para guardá-lo. Silenciar os alertas e os alarmes. Proteger o espaço.

Acima do que Ana disse, esta a serenidade da sua presença que comunicou com clareza máxima. Ela sabe quem ela é; sabe o que deve fazer; conhece Aquele que vai com ela. E deste entendimento, transbordam paz e a beleza tão profunda e atraente como a da Amazônia. Esta adorável mulher não me ofereceu um “como fazer” porque relacionamentos não são clínicos. Mas ela me lembrou que propósito, paz, e conhecimento são todas qualidades alcansáveis através da intimidade com Cristo. Ela me lembrou da abundante vida que é possível em Jesus.

Pin It on Pinterest